quarta-feira, 30 de julho de 2008

Encomenda especial

Mais uma encomendinha pronta. Dessa vez, fiz com um carinho todo especial, pois trata-se de um presente para um de meus ídolos: o Presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, um homem excepcional!
Claro que não tenho foto dele com meu trabalho, afinal não fui lá entregar (se tivesse ido, provavelmente não teria coragem de pedir pra tirar a foto, rsrsrsrs). Mas é bem legal saber que uma pessoa a quem admiro possui algo feito por mim...
Para esse trabalho, escolhi uma das cores prediletas dele, azul. Escolhi azul ciane pois era o mais bonito que tinha na loja, e usei fio duplo, uma vez que esse fio é muito mais fino que o Anne. Amei o efeito, e todos que viram não se cansaram de me cumprimentar!
É uma pena eu ser tão má fotógrafa. Aposto que um bom fotógrafo conseguiria pegar a cor linda e ainda capturar toda a beleza do ponto, que eu acho maravilhoso. Enfim, não sou fotógrafa profissional, tenho de me contentar em lhes mostrar o que eu consigo capturar com todo o meu esforço. E esperar que vocês acreditem quando eu lhes digo que realmente ficou bonito...


Modelo: Shedir
Fio: Algodão 100% natural na cor ciane, da empresa Cottonière Cap Vert, do Senegal
Material:Agulha circular Bohin 2,5 e 3,5 e agulhas de duas pontas Bohin 3,5
*marcador de pontos feito por mim, com material de fazer bijoux*
Modificações: aumentei o número de voltas recomendadas para a barra, devido à espessura do fio. Fiz 15 voltas.
Lá em cima, o gorro está na cabeça do meu marido, que é pra ter uma idéia de como fica na cabeça do Presidente. Aproveitei pra perguntar se não esquenta muito. Afinal, estou num país da África Ocidental, e ainda não estamos no inverno. Se bem que o inverno daqui é levinho, chove de dia, esfria de noite, meio geladinho. Aqui a gente nem precisa se cobrir tanto, por isso preferi o algodão. Ficou confortável e agasalha bem, foi o que o meu marido disse.
Usei agulha 2,5 pra barra que é pra ficar um ponto bem bonito e não deformar com facilidade, já que aqui não encontrei Elastricot. Aí, no corpo, mandei ver na ag. 3,5. Esse fio, usado duplo, fica ótimo com ag. 3,5 e tanto faz se a gente vai trabalhar uma malha lisa ou um motivo ajurado ou trançado, como nesse caso. Estou adorando trabalhar com esse fio. A única coisa chata ao trabalhar esse gorro em especial foi que minha agulha auxiliar para tranças quebrou. Acho que tenho que parar de fazer trabalhos trançados, ou então comprar material de melhor qualidade [Puxão de orelha na Pingouin]. Como não tinha tempo a perder e não estou nadando em dinheiro pra pagar quase 20 dólares de frete expresso pra pedir uma agulha chinesa de bambu que custa 0,80 cents, resolvi improvisar com um grampo de cabelo. E não é que funciona perfeitamente? Deu pra terminar o trabalho numa boa, e duvido que eu me apresse a comprar a agulha agora...

Agora, o gorro na cabeça da Kreeshla. Até que não ficaria ruim, dá pra usar com a barra dobrada. Como é bem elástico, eu não alteraria nada se fosse fazer um pra ela, que é uma pré-adolescente.

Eu trabalhei conforme a receita, acrescentando apenas algumas voltas a mais na barra, senão ia ficar muito estreita. De resto, fiz tudo direitinho como manda o figurino - oooops, a receita!

Eu comprei duas meadas do fio, que era pra trabalhar com fio duplo. Mas como as meadas são imensas - 4000 m - sobrou fio pra caramba! Aí, resolvi acrescentar um agradinho à encomenda, fazendo um cachecol pra combinar. Dei uma olhadinha por aí e não encontrei nada que combinasse ou que me agradasse. A solução foi botar a cachola pra funcionar.

Peguei minhas velhas agulhas Pingouin pra fazer uma amostrinha no ponto Ventania, e gostei muito do resultado. Então, montei os pontos e tasca a tecer! E teci com tanta vontade que a agulha que era de plástico, partiu a ponta. [Puxão de orelha na Pingouin de novo!].

Olha aqui a danada: quase chegando a meio metro, a infeliz quebra! Ainda tentei dar o famoso 'jeitinho brasileiro', aquecendo levemente a ponta, puxando e apertando ao mesmo tempo pra cobrir a ponta metálica sob o plástico. Mas, que nada! minhas colegas, ficou uma verdadeira merda! Lixei e tudo, mas não prestou, não... E como ela quebrou na noite de sábado, tive de dar uma parada. E rezar pra ter agulha 4 no armarinho, que aqui a gente nunca sabe se vai encontrar o que precisa.

Mas eu nasci mesmo foi com a bunda virada pra lua e tenho A Sorte das sortes! Tinha, sim, agulha 4 no armarinho. E de metal, da marca francesa Bohin, de 40 cm de comprimento, perfeita pro meu cachecolzão! Quase beijei a dona, uma libanesinha linda de narizinho empinado, muito nojentinha e que nem sabe escrever francês direito... Mas eu não precisava da nota fiscal mesmo, eu queria era a agulha, e rápido!

Chegando em casa, tasca a tecer, e tecer, e tecer como dona aranha... Até acabar o resto dos novelos. Deu pra fazer 1,50 m de tecido, com 45 cm de largura. Eu adorei! Olhem aqui embaixo o detalhe do ponto. Ele estiiiiiiiiiiiiica!!!

O modelo eleito para a foto: o cachorrinho de pelúcia da Kreeshla, na falta do meu idolatrado Presidente. Não fica bonito? E vocês não fazem idéia do peso desse cachecol, depois de pronto. Eu já sabia que fio de algodão pesa, mas não desconfiava que ia pesar tanto assim. Agora, que o toque é maravilhoso, isso nem se discute.

Dobrei o cachecol em algumas pregas, pra 'descansar a malha', como a gente faz antes de começar a trabalhar tecidos elásticos. Assim, eu não precisei do tal blocking, que eu não sei se algum dia vou ter paciência pra fazer em alguma de minhas peças. Depois de um dia de descanso, aí mesmo no tapete como vocês o vêem, estava prontinho pra ser embalado e entregue ao meu marido, que o levou para seu futuro dono.

O conjuntinho... ...e o modelo. Acho que ele queria ficar com eles pra brincar...
Pra quem ainda não conhece, o ponto Ventania é muito simples, bonito e rápido de fazer. Eu fiz assim:

Com fio duplo e agulha 4, montei 80 pontos na agulha (fio finíssimo de algodão, não me atrevi a trabalhar com agulha mais grossa), usando um método de montagem que eu adoro, o Single Cast-on, que fica bem elástico, ótimo pra cachecol. Trabalhei uma carreira toda em tricô.

Na próxima carr: 1p. sem fazer em t, *laçada, 2p. juntos em t*, laçada, 1t

Trabalhei todas as carreiras assim, até faltar pouco pra acabar o fio. Então, trabalhei mais uma carreira toda em tricô e arrematei muito frouxamente, seguindo o ponto. Usei uma agulha de bordar com fundo largo pra esconder o restinho de fio entre os pontos da carreira anterior.

Como nesse ponto não existe direito e avesso, não temos a preocupação de ficar marcando carreira. Basta se sentar confortavelmente e repetir a mesma coisa sempre. E é aí que reside a beleza do ponto. Fácil e rápido, hehehehe...

Quem for fazer com um fio mais encorpado, melhor montar poucos pontos e usar agulha mais grossa, senão corre o risco de ter uma manta ao invés de um cachecol!

3 comentários:

disse...

Que chique essa encomenda!! O gorro ficou divino e o cachecol idem:)

Adorei seu post sobre os fios e as alterações no shedir. Brigadinha!!
bjinhos

Eliane disse...

Miriam que gorros sao estes menina! pena que nao sei usar as agulhas circulares e as outras! O Alberto ia amar! sao mesmo maravilhosos! Bjos! Espero que voce ja esteja 100% com a saude.
Eli.

VovoBaisa disse...

Penélope!
amei seus gorros. Epero sinceramente que já esteja tudo bem por aí.
Grata pelo carinho.
Bj.
Baísa